SOBRE NÓS

O ministério Não Morda a Maçã está há 9 anos a serviço do Reino para inspirar adolescentes e jovens a conhecer Jesus através da leitura e revelação da palavra de Deus. Continue lendo

SE INSCREVA EM NOSSO CANAL

Por que não sofreis antes a injustiça?

Fala, meu querido. Beleza mermo? Então vamos ao que interessa.

O fato de haver litígios entre vocês já significa uma completa derrota. Por que não preferem sofrer a injustiça? Por que não preferem sofrer o prejuízo?
1 Coríntios 6:7

Este trecho foi escrito por Paulo na primeira carta aos coríntios depois de ele ter descoberto que membros da igreja estavam indo a tribunais do Estado contra outros, para resolverem suas demandas. Um irmão causava um dano a outro, muitas vezes nem tão significativo, e o prejudicado, sabendo do seu direito, o levava às autoridades e prestava suas queixas contra ele. Era como se ele o processasse.

Aí você me pergunta: “Tá, mas, se ele tava no direito dele, qual é o problema?” O problema é que isso é uma vergonha ao Evangelho de Cristo. Pensa aí comigo. Um irmão em Cristo acaba pecando e te difamando, e você, a vítima da história, se sente no direito de processá-lo; afinal, o prejudicado foi você. É um direito seu fazer isso. Mas, por você não estar disposto a sofrer o dano, você vai causar um dano maior ao Reino de Deus. Porque o testemunho que você

[e ele] dará ao mundo é que nem os próprios cristãos têm paz e comunhão entre si mesmos.

Pedro parece ter uma ideia semelhante à de Paulo:

Porque é louvável que, por motivo de sua consciência para com Deus, alguém suporte aflições sofrendo injustamente.
1 Pedro 2:19

Aí você pode me responder com o questionamento: “Então quer dizer que eu sou obrigado a aceitar calado qualquer injustiça que é feita contra mim da parte de outro cristão?” Não. Na realidade, você não é obrigado a nada (1 Coríntios 6.12). Mas espera-se que você abra mão dos seus direitos para fazer aquilo que agrada a Deus, se você é realmente cristão. Afinal, não morremos para nós mesmos e vivemos pra Cristo? (Gálatas 2.20) E, na realidade, o que Paulo aponta como o problema principal é que os crentes em Corinto estavam levando estas questões aos tribunais do governo, ou seja, seculares. O que ele sugere é que, se há algo a ser julgado, que seja feito com os homens mais sensatos da igreja, para não darmos mal testemunho diante dos incrédulos, e nem permitirmos que eles julguem nossas causas, pois não são eles regidos pelos princípios cristãos.

Se há algo neste sentido que acontece com você, o ideal é que você sofra o dano por amor ao Evangelho de Cristo Jesus. Se, pela situação, você não pode simplesmente ‘deixar pra lá’, leve o caso ao conhecimento dos líderes da igreja, e que eles julguem. É claro que essa ideia não significa que, se um cristão [ou dito cristão] roubar o seu carro, você vai ficar quieto e falar com os líderes da igreja, apenas. Aí, você pode avisar à polícia, mesmo haha só entenda as devidas proporções.

Quero aproveitar e deixar aqui um vídeo bem legal que eu vi ontem. Não tem muito a ver com o tema da mensagem deste post, mas o elo entre os dois é Cristo. Acho que você pode gostar:

Que Deus o abençoe! Produza frutos!

Por | 2017-08-19T23:53:21+00:00 quarta-feira, 26 de julho de 2017|Cristianismo, Estudos Bíblicos, Vida Cristã, vitrine|0 Comentários

Sobre o Autor:

Pior dos pecadores alcançado pelo Evangelho de Jesus Cristo. Sonho em ser pai e sou apaixonado pelo livro de Romanos. Membro da Igreja Presbiteriana de Vitória da Conquista - BA.