A igreja mundana

Diego Cesar 8 de junho de 2017 0

Galera, tudo na paz? Há coisas que não perdem a qualidade, ainda que o tempo passe. Por ser a própria Palavra de Deus, a Bíblia tem essa característica de falar conosco mesmo tendo sido escrita mais de 1900 anos atrás.

Como tudo tem um porém, existem pessoas que não se contentam com o conteúdo bíblico e inventam modismos, dão pano para uma manga que não devia nem existir, formando doutrinas que estão mais para heresia do que ensino da Bíblia. Isso ocorre não porque a Palavra é limitada, mas devido ao leitor não dar a devida atenção ao seu precioso ensino.

Ora, o Espírito afirma expressamente que, nos últimos tempos, alguns apostatarão da fé, por obedecerem a espíritos enganadores e a ensinos de demônios, pela hipocrisia dos que falam mentiras e que têm cauterizada a própria consciência, que proíbem o casamento e exigem abstinência de alimentos que Deus criou para serem recebidos, com ações de graças, pelos fiéis e por quantos conhecem plenamente a verdade. 1 Timóteo 4.1-3

Para ser mais claro, vamos ver alguns exemplos do que é ensinado por muitas igrejas mundão afora e nem de perto passam pela Palavra. Igreja cheia é sinônimo de crentes saudáveis. Não! Em vez de correr atrás de números – como uma empresa -, o pastor tem que zelar pela saúde espiritual da congregação (1 Pedro 5.2-3). Com toda certeza, há igrejas com número modesto de membros que, mesmo assim, possuem um ensino mais bíblico do que o pregado nos megatemplos.

Ser cristão é estar livre de problemas na vida. Não! Jesus disse aos discípulos que o mundo é lugar de aflições (João 16.33). E isso vale tanto para o não crente quanto para aquele que já confessa Cristo. É comum ver gente vendendo a imagem do cristão como aquele que seria próspero em todas as áreas da vida. Mas um seguidor de Jesus deve ter em mente que importa mais para ele é a vida eterna.

A oferta que vale é a que dói no bolso. Não! Quando você entrega dízimo ou oferta para a casa de Deus o que conta é que esse gesto seja com alegria (2 Coríntios 9.7). Do que serve contribuir para a obra e depois ficar se lamentando do dinheiro que não poderá mais utilizar? Ofertar e dizimar são atitudes de amor ao Senhor, confiando que Ele proverá tudo.

Pregação boa é a que massageia meu ego. Não! Um sermão que prioriza dar conforto ao pecador em vez de confrontar seu modo de vida está longe de ser bíblico. Quando vierem com o papo de que “Deus ama você independente do pecado que mantém” já é bom ficar com os dois pés fora desse barco. O Senhor ama os pecadores, mas quer que eles abandonem a velha natureza (Romanos 8.12-15).

Seja praticante do culto racional (Romanos 12.1). Esteja atento para que aquilo que você pratica realmente tenha respaldo na Bíblia.

Semana abençoada, em nome de Jesus. Abração!

Deixe um comentário »