5 práticas que devemos abandonar

Luiz Roselli 30 de setembro de 2015 3

“Despojando-vos, portanto, de toda maldade e dolo, de hipocrisias e invejas e de toda sorte de maledicências, desejai ardentemente, como crianças recém-nascidas, o genuíno leite espiritual, para que, por ele, vos seja dado crescimento para salvação, se é que já tendes a experiência de que o Senhor é bondoso.”
(1Pe 2.1-3)

 O apóstolo Pedro estava em Roma, citada como Babilônia (5.13), escrevendo exortações e testemunho da graça de Deus (5.12) para comunidades cristãs mistas de predominância gentílica da Ásia Menor. Essas incríveis palavras também nos exortam e direcionam nos dias de hoje. O apóstolo estava no fim do primeiro capítulo falando sobre o tema da santidade na vida cristã; no capítulo 2.1-3 ele continua o tema dizendo que os novos cristãos, nascidos em Cristo, devem desenvolver-se; os bebês espirituais precisam crescer na Palavra, seu alimento, pela qual foram gerados.

dirty-kid-rex

Interessante que Pedro usa a palavra “despojando-se”, que é a tradução de “ gr. apothëmenoi”, um particípio quase um imperativo, que traz a ideia de “deixar de lado, rejeitar, despir, referindo ao gesto de tirar uma roupa”. Os cristãos devem se despir da velha natureza e obras, rejeitar todos pecados, e deixar de lado a antiga maneira de viver. Também nas palavras de Paulo em Ef 4:22-24: “Quanto à antiga maneira de viver, vocês foram ensinados a despir-se do velho homem, que se corrompe por desejos enganosos, a serem renovados no modo de pensar e a revestir-se do novo homem, criado para ser semelhante a Deus em justiça e em santidade provenientes da verdade”.

Em seguida, Pedro apresenta um catálogo de vícios. Ele lista 5 práticas que devemos abandonar. CUIDADO, esses pecados corrompem sua santidade, te impedem de crescer e te afastam de Cristo. Vejamos:

1ª – Maldade essa palavra vem do grego “kakia”, que quer dizer “malícia”, um termo amplo que pode ser visto como “toda iniquidade do mundo pagão”. No nosso dicionário da língua portuguesa malícia aparece como “inclinação para o mal; interpretação danosa”.

2ª – Dolo – é traduzido em algumas versões por “engano e fraude”. A melhor interpretação que encontrei em alguns comentários é “representa aquele espírito traiçoeiro, que não hesita em usar de meios questionáveis para sobressair-se ou obter vantagens; ou uma mentalidade que visa vantagens pessoais às custas de outros ”.

– Podemos afirmar que maldade é atitude intencional de fazer o mal ao próximo, e o dolo a intenção de fazer o mal ocultando isso nas palavras e gestos.

3ª – Hipocrisia – algumas versões aparecem como “fingimento”. Seria “todas as atitudes insinceras, como as máscaras com que as pessoas costumam se apresentar umas às outras”. A hipocrisia possibilita ao ser humano suportar sua falta de sinceridade sob o manto da devoção. É vestir um capuz para ocultar a verdadeira identidade.

4ª – Inveja – a palavra grega “fthonos” descreve o sentimento mesquinho de querer ocupar o lugar do outro. A inveja define como alvo a ambição de também possuir o que o outro possui; vem do egoísmo e contamina o amor.

5ª – Maledicência – a palavra traduzida de “katalalia” traz a ideia de “falar mal”. Algumas traduções trazem como “falatório da vida alheia”. É o falar mal quase sempre como fruto de inveja instalado no coração e normalmente quando a vítima não está presente para se defender. É “fazer da linga uma espada afiada para ferir, um fogo mortífero para destruir e um veneno letal para matar”.

As vezes esses pecados não recebem de nós a devida atenção e vigilância. Tratamos como “pecados menores” ou “pequenos erros”. Eles destroem a nós e aos que estão a nossa volta. Lembro mais uma vez que:

Pedro não instrui os seus leitores a lutarem contra esses males, mas a se livrarem deles. Precisamos livrar-nos deles como nos livramos de uma roupa suja e contaminada. ”

A minha oração é para que possamos checar nosso coração, abandonar as roupas sujar e nos alimentar do maravilhoso e nutritivo leite espiritual, para sermos aperfeiçoados, para a glória de Deus.

SOLI DEO GLORIA



3 Comentários »

  1. Itamar Guimarães 30 de setembro de 2015 às 12:14 - Reply

    texto abençoado mesmo… dá um belo de um estudo para igrejas!

  2. Adriano 30 de setembro de 2015 às 13:14 - Reply

    Palavra edificante!

    Devemos ter o cuidado em obedecer cada conselho para assim vivermos a vontade de Deus.

  3. Jhullie Any 30 de setembro de 2015 às 13:37 - Reply

    Muito bom! Deus abençoe e continue a usar a sua vida,irmão.

Deixe um comentário »